terça-feira, 31 de março de 2015

Caiçara Futebol Clube é uma das novidades desse ano



A competição mais importante da região está se aproximando do seu início, e as equipes estão se preparando para participar.

A vila Caiçara município de Paraná terá duas equipes esse ano, uma a tradicional Associação de Caiçara do desportista Valdir, a outra o Caiçara Futebol Clube de Fernando.

O Caiçara é uma equipe nova, mas aos poucos vem conquistando seu espaço, em apenas três anos de existência, o time já foi campeão municipal e terceiro colocado, e conquistou recentemente o torneio início da competição local.

Uma equipe jovem com muita determinação e promete dar muito trabalho nessa edição da CPF, sendo essa a sua primeira participação

Sobre o grupo no qual está inserido, o F, que tem as equipes Associação de Caiçara seu principal rival, TAMEC atual campeão da Copa Janduir Diniz e ACEV de Marcelino Vieira que está de volta, Fernando falou que é um grupo bom, e ver grandes chances de conseguir a classificação.

Sérgio atleta do município é goleador e um dos principais jogadores da competição, o dirigente falou que contratou dois jogadores de José da Penha, Julio um dos destaques na Copa Janduir Diniz, Ailson  e outro de Baixio CE, que não teve o nome revelado, mas que se trata de um jogador muito talentoso.

O Caiçara Futebol clube tem sua estreia programada para o sábado dia 18, justamente o primeiro dia da competição, jogará em casa contra o ACEV.

No dia 25, a equipe faz o clássico contra a Associação, e dia 02 de maio recebe o TAMEC.

A equipe terá os três primeiros jogos em casa, sendo um campo neutro contra a equipe de Valdir, aliás as duas equipes tem a vantagem de viajar apenas duas vezes na primeira fase, uma partida em Marcelino Vieira e outra em Tenente Ananias.

Copa Primo Fernandes

Sem torcida, dinheiro e qualidade, times pequenos patinam no Paulista

Maior tempo de preparação para os grandes e abismo financeiro fazem com que equipes menores praticamente não incomodem os rivais mais tradicionais neste ano

 
Os quatro maiores clubes de São Paulo viveram, neste último final de semana, uma situação pouco comum no Paulista deste ano. Com a derrota do Palmeiras para o RB Brasil, por 2 a 0, e o empate do Santos com o São Bento, em 2 a 2, foi a segunda vez que os grandes perderam quatro pontos para equipes do interior em uma mesma rodada - aconteceu antes na segunda, quando a Ponte Preta bateu o Verdão, e o Peixe não conseguiu vencer o Mogi Mirim.
Com exceção deste dois momentos, os enfrentamentos de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo com os pequenos têm sido de rara facilidade, mesmo em competições recentes. Ao fim da 13ª rodada, os quatro mais tradicionais perderam, juntos, apenas 18 pontos nesses confrontos. A esta mesma altura da competição, em 2014, a dificuldade era consideravelmente maior: as surpresas somavam 31 pontos roubados – há 10 anos, eram 37.



Se o abismo econômico é um argumento comum, mas que não chega a ser novo, uma mudança no calendário é citada para explicar a diferença vista dentro de campo nesta temporada. Há tempos que os grandes não tinham tantos dias de preparação antes da estreia no estadual.
Melhor campanha da competição deste ano, o Corinthians teve 27 dias de pré-temporada – que permitiram, inclusive, uma excursão aos EUA em janeiro – , enquanto que, em 2013, foram só 13 dias para acertar o time antes do primeiro jogo oficial. Invicta e já classificada, a equipe de Tite é líder geral do campeonato, com 35 pontos – quatro perdidos em empates com Ituano (1 a 1) e RB Brasil (0 a 0). Na edição passada, após 13 partidas, o clube do Parque São Jorge tinha sido batido por São Bernardo, Ponte Preta e Bragantino, além de uma igualdade com o Mogi Mirim. Com Mano Menezes no comando, ficaria fora do mata-mata.
– Evidente que (a campanha dos pequenos) está pior, é só ver os números. Acho que o tempo de preparação dos grandes fez a diferença, porque mais dinheiro eles sempre tiveram – afirma o técnico do Audax, Fernando Diniz.
Comandante do Santos, que perdeu apenas cinco pontos para equipes de menor tradição, Marcelo Fernandes concorda com a observação do colega de Osasco.
– Quando tínhamos uma pré-temporada de oito dias, os pequenos disparavam no campeonato (pela melhor forma física). Agora que deram ao menos 20 dias para os grandes, acontece isso aí, a parte técnica se sobressai – diz.
Para cartolas, dinheiro faz diferença
A visão de quem senta no banco é compartilhada também entre dirigentes dos clubes do interior, mas em segundo plano. Antes, para eles, pesam o bolso e a dificuldade de montar uma equipe para uma única competição atrativa na temporada – um torneio de, no máximo, 19 datas.
– O principal fator, que se agrava a cada ano, é a falta de calendário. Isso dificulta a montagem de um elenco que aceite disputar quatro meses de campeonato. Montar um time que chamamos de "aluguel" é uma missão árdua para quem dirige o futebol – afirma o diretor de futebol do Botafogo-SP, Fernando Henrique Gelfuso.
– Se um clube tem mais funcionários qualificados, uma estrutura boa, é por ter um poderio financeiro maior. Isso ajuda principalmente no momento de contratar jogadores – aponta o diretor-executivo do São Bernardo, Edgard Montemor.
A distância é muito grande nos orçamentos. O custo do elenco do São Bento é estimado em R$ 160 mil mensais, cerca de 5% do que o Santos, com a menor folha salarial entre os arquirrivais paulistas, paga a seus atletas – são R$ 3 milhões por mês, ainda que os direitos de imagem estejam atrasados.



Atual vice-campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, derrotado na final pelo Corinthians, o Botafogo também ataca o regulamento do Paulista e coloca a limitação à inscrição de 28 jogadores como um fator que joga contra os times do interior.
Estádios vazios
Essa equação que derruba o desempenho dos times pequenos no Campeonato Paulista também afasta os torcedores dos estádios do interior, mesmo quando essas equipes recebem a visita de um dos grandes.
O Corinthians enfrentou o Capivariano na 11ª rodada, a primeira visita do clube à cidade na região de Piracicaba. Além do gramado enlameado pela chuva, o que se viu foram arquibancadas vazias, apesar do apelo da partida. Somente 5.055 pessoas pagaram para ver a vitória alvinegra por 3 a 2.
Em alguns casos, o preço dos ingressos assusta os torcedores. A média de público do São Bento na A-1 (3.653 pagantes) é quase igual à que o time ostentou na segunda divisão, em 2014 (3.244 pagantes), mesmo recebendo em Sorocaba equipes da elite paulista. O tíquete médio, porém, praticamente triplicou de um ano para o outro: passou de R$ 14,96 a R$ 45 – uma estratégia da diretoria para arrebatar sócios, que têm descontos nos ingressos.
Em outras situações, entradas baratas não são suficientes para encher o estádio de um time com pouca identificação com a cidade, casos do Audax e do RB Brasil. O maior público no José Liberatti, em Osasco, é de 2.749 pagantes, contra a Portuguesa. Quando recebeu o São Bernardo, só 750 torcedores pagaram por ingressos. A média do time de Campinas era de míseros 984 pagantes por confronto até a 12ª rodada - contra o Palmeiras, primeiro grande a enfrentar em casa, o RB Brasil recebeu 7.355 torcedores, maioria alviverde.
– O que temos de repensar é essa fórmula do Campeonato Paulista. Ele não está atraindo as pessoas. Nós temos de tratar com seriedade, sem paixões, sem frescuras. Acho que esse modelo já deu. Estão trocando ingresso por garrafa pet vazia – critica o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, citando ação da FPF (Federação Paulista de Futebol) que tenta elevar a presença de público nos estádios do interior do estado.
Montemor, do São Bernardo, aponta o preço dos ingressos, o nível técnico do torneio e até o atual cenário econômico do país com razões para o baixo interesse dos fãs do interior,

– Quando digo o preço, não é em relação ao valor em si. Um ingresso a R$ 100 pode não ser caro se você estiver assistindo ao jogo em uma arena com restaurante, lugar para sentar, banheiro adequado, acesso bom e opções de entretenimento. Agora, cobrar R$ 50 em um local que não tem nada é um absurdo. E sabemos que a maioria dos estádios não tem capacidade para receber o público de forma digna – completa o dirigente.
A média de público geral do Paulista aumentou em comparação com o ano passado. A edição de 2014 terminou com 5.675 pagantes por partida, enquanto que, neste ano, nos primeiros 129 jogos do torneio, a média é de 6.756 pagantes. Esse dado é inflado pelos números dos grandes, especialmente Corinthians e Palmeiras, que atuam em estádio recém-construídos e celebram programas de sócios-torcedores de sucesso. Considerados os jogos dos pequenos, essa média cai para 3.626 pagantes – uma ocupação de 36% num estádio para 10 mil pessoas, a capacidade mínima exigida pela Federação Paulista de Futebol para a disputa da elite estadual.


Globo Esporte

Falcão se aproxima de Del Nero, e CBF pode Assumir a Seleção

Estatuto da entidade máxima do futebol brasileiro permite que ela passe a gerir o esporte a qualquer momento. Reunião nas próximas semanas determinará a mudança

 
A falta de perspectivas quanto à situação da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) levou os principais jogadores do país a tomarem uma medida drástica. Nas últimas semanas, Falcão e seus pares vêm articulando a entrada da CBF no futsal. A entidade máxima do futebol brasileiro passaria a ser a gestora da seleção do país, já que o item VIII do artigo 5º do seu estatuto permite a retomada do controle do futsal a qualquer momento. Para isso, o grupo liderado pelo camisa 12 se aproximou de Marco Polo Del Nero, que começará o seu mandato à frente da CBF no dia 16 de abril. Endividada e impossibilitada de negociar patrocínios com empresas estatais, a CBFS elege o seu presidente nesta terça-feira, em Fortaleza. Presidente da Federação Mineira de Futsal, Marcos Madeira é candidato único e deve ser eleito por aclamação. Indignados com o rumo político da Confederação, os principais jogadores do país declararam boicote à seleção no último fim de semana.



- Devemos nos reunir com o Del Nero, no máximo, até o dia 20. A CBFS não é homologada pela Fifa. O Brasil é o único país que ainda tem uma confederação de futsal. Todas as outras seleções são geridas por confederações de futebol reconhecidas pela Fifa. A gente tenta que a CBF assuma o futsal de novo e passe a gestão para pessoas que queiram estar ali. E que entendam de gestão, antes de entender de futsal. E que os cargos ligados ao esporte tenham pessoas que conheçam, que vivam, que queiram o bem do esporte - afirmou Falcão.
O grande aliado de Falcão na aproximação com Del Nero é o executivo Sérgio Gomes, um dos diretores da GM/Chevrolet. Amigo do camisa 12 e com boa relação com Del Nero, ele já deixou encaminhado um contrato de patrocínio caso a CBF assuma a seleção brasileira de futsal. 
A mudança na gestão da seleção deixaria a CBFS como responsável apenas pelo registro de clubes e atletas e organização de competições nacionais e regionais, sendo que a Liga Futsal - principal campeonato do país - tornou-se uma liga independente desde o ano passado e atualmente se chama Liga Nacional de Futsal (LNF).



Procurada pelo GloboEsporte.com para comentar o assunto, a assessoria de imprensa da CBF informou que vai se pronunciar sobre a questão nesta terça-feira. Marcos Madeira, por sua vez, não atendeu às ligações.
01
Acordo de cavalheiros permitiu a criação da CBFS
Fundada em 15 de junho de 1979, logo após o fim da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), a CBFS nasceu de um "acordo de cavalheiros" entre João Havelange e Aécio de Borba Vasconcelos, fundador e presidente da CBFS até junho do ano passado, quando renunciou após ser acusado de corrupção e nepotismo. Amigo de Aécio, Havelange - que presidiu a CBF de 1958 a 1975 e a Fifa de 1974 a 1998 - condicionou a criação da nova entidade à possibilidade de a CBF retomar o controle do futsal a qualquer momento, conforme previsto no  item VIII do  Artigo 5º do estatuto da entidade máxima do futebol brasileiro,




Sediada em Fortaleza, a CBFS vive grave crise política e financeira desde o último ano.  Endividada em R$ 6 milhões e impedida de negociar patrocínios com estatais devido à reprovação de um de seus balanços, a entidade cancelou a organização da Copa América, no início do mês, por falta de dinheiro. Por conta da crise, a seleção ainda não jogou em 2015. O próximo Mundial acontece em setembro de 2016, na Colômbia.
Este é o segundo boicote coletivo de jogadores à seleção brasileira de futsal no espaço de um ano. Em março de 2014, Falcão foi apoiado por Neto e Tiago e anunciou que não defenderia mais o time verde-amarelo por problemas de relacionamento com o diretor de seleções, Edson Nogueira. Na ocasião, o jogador aproveitou para divulgar desmandos na administração da entidade, então presidida por Aécio de Borba Vasconcelos. Os principais atletas só voltaram a atuar pela seleção em setembro no amistoso contra a Argentina, no Mané Garrincha, jogo de maior público da história do futsal,

O boicote fez o grupo liderado por Marcos Madeira iniciar uma oposição à diretoria da CBFS. Em maio, Aécio teve a sua primeira derrota política, com a reprovação do balanço financeiro referente ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. Incapacitado de negociar contratos com estatais devido à reprovação das contas e envolvido em denúncias, Aécio renunciou em junho.



Em seu lugar, assumiu Renan Tavares, que antes ocupava o cargo de vice-presidente de competições. Integrante da antiga diretoria, Louise Bedé passou a ocupar a vice-presidência administrativa. Desde então, o grupo vinha sofrendo forte oposição de Madeira, até o mesmo aproximar-se de Louise nas últimas semanas. O fato revoltou os principais jogadores do país, que anunciaram o boicote à seleção caso não haja uma mudança de cenário.
Renan Tavares poderia ocupar a presidência da CBFS até o fim de 2017, quando se encerraria o mandato de Aécio de Borba Vasconcelos. Por conta das dificuldades encontradas no mandato, ele decidiu antecipar as eleições a fim de tentar melhorar o quadro. Participam da eleição desta terça-feira, na sede da CBFS, em Fortaleza, os presidentes das 27 federações estaduais filiadas. Com apoio quase total à sua candidatura, Madeira deve ser eleito por aclamação.
01
futebol de areia viveu situação semelhante em 2013
Em 2013, o futebol de areia viveu situação semelhante ao que está prestes a acontecer com o futsal. Baseada em uma resolução da sua presidência, a CBF passou a assumir a seleção brasileira nas competições oficiais e internacionais promovidas pela Fifa ou pela Beach Soccer World Wide (BSWW).

Por determinação da entidade máxima do futebol, o treinador passou a ser o ex-jogador Júnior Negão, demitido pela Confederação Brasileira de Beach Soccer (CBBS) naquele ano. Contratado por esta última para o lugar de Negão, Andrey Valério chegou a fazer uma convocação na mesma época, e o caso foi parar na Justiça, com ganho de causa para a CBF, que passou a gerir a seleção de futebol de areia deste então.
Globo Esporte

segunda-feira, 30 de março de 2015

TAMEC é campeão

O torcedor da cidade de Tenente Ananias finalmente pode soltar o grito de é campeão, depois de muitas vezes bater na "trave"a equipe da cidade conquista o título da CJD, ao vencer o Boca Junior da Malhada pelo placar de 2 x 0, com gols de Adinho e Bruno.

Não foi fácil, pelo contrário, foi um jogo muito complicado para a equipe da casa apesar de não ter tomado nenhum gol, embora a equipe adversária ter chegado com perigo a meta de Emanuel.

O Boca foi quem tomou a iniciativa, e partiu para cima, até os 10 minutos, foi a equipe de Alexandria quem ditou o ritmo do jogo,



O TAMEC apareceu no ataque aos 14, com lançamento de Adinho e desvio de Rafael, a bola passa perto, quase o primeiro.

Aos 21, a chance mais clara do jogo, a bola sobrou para Jorge, que sozinho na pequena área cabeceou por cima, perdendo uma oportunidade incrível para o time do Boca.

Tonho sumido no jogo, tem oportunidade aos 24, ele recebe na esquerda e na velocidade chega na cara do gol, mas chuta por cima.

Aos 27, Pedrinho da intermediária puxa para esquerda e bate, Emanuel ficou parado no lance, quase seria um golaço da equipe de Alexandria

Aos 39, falta para o TAMEC, grande oportunidade que Adinho não desperdiça e deixa a sua marca, 1 x 0 para o TAMEC.

O jogo tem seu primeiro tempo encerrado, com o Boca jogando melhor, porém não soube aproveitar as oportunidades, e o time da casa na qualidade decisiva de Adinho, vai para os vestiários com a vantagem no placar.

O retorno para o segundo tempo, é do mesmo jeito, com a equipe visitante partindo para o ataque.

Mas os jogadores da equipe alexandriense aos poucos vão cansando e o TAMEC volta a ficar melhor na partida.

Aos 18, depois da cobrança de escanteio, a bola sobra para Rafael que bate forte, mas pra fora.

Dez minutos depois, mais uma cobrança de falta para a equipe da casa, Adinho lança na área e o zagueiro Bruno chega para escorar e marcar, 2 x 0 para o TAMEC.

O torcedor na arquibancada promove uma grande festa e já começa a gritar, é campeão.

Não era pra menos, pois o time de Alexandria mesmo com sua grande força de vontade, não desistia, mas não tinha mais aquela pegada de antes.

Muitas mudanças são efetuadas, mas em nada foi mudado no placar.

A equipe do Boca ainda quase consegue chegar aos 40, com Nailton que invade a área e bate no cantinho, mas Emanuel atento faz grande defesa e evita.

Não deu mais tempo para nada e o árbitro Renato apita final de jogo, e os jogadores comemoram com a torcida o título tão desejado.

O jogo tinha um confronto com certa preocupação o quanto a ser vice, o representante da casa que antes era chamado de Real Madrid, foi vice campeão duas vezes da Copa Primo Fernandes, e o Boca foi vice na primeira edição da CJD, e mais uma vez consegue essa colocação.

O TAMEC foi campeão de forma invicta e com 100% de aproveitamento, foi a melhor campanha de todas até aqui, e dificilmente alguém quebre essa marca.

Além da equipe campeã, Tonho foi o artilheiro da competição com 5 gols.

Emanuel foi o goleiro menos vazado com apenas 2 gols, ainda na primeira fase, a equipe do TAMEC passou 4 jogos seguidos sem sofrer nenhum gol.


Adinho também recebeu prêmio, pelo gol mais bonito da competição.

Depois seguiu a premiação ao vice campeão a equipe do Boca Junior.

E finalmente a equipe do TAMEC pode receber com muito merecimento o troféu de campeão 2015.


TAMEC: Emanuel, Gutembergue (val), Ragael, Bruno, Zé Antonio, Romário, Baiá, Marcos, Adinho, Douglas (Davi), Tonho (Luiz Eduardo).




Boca Junior: Lucas, Nailton, Rafael, Turran (Claudio), Matheus (Giro), Alexandre, Wlaison (Tatá), Pedrinho, Marcio, Marcílio (Erinaldo), Jorge.

Fonte: Copa Janduir Diniz

A nata do futebol nordestino em 2015, reacendendo a discussão sobre o G4



Uma semifinal com a carga pesada da Copa do Nordeste em 2015.
A disputa reúne os três maiores clubes (ex-integrantes do Clube dos 13), Bahia, Sport e Vitória, e um postulante ao mesmo status, fechando o G4. Discorda da análise sobre os três maiores times do Nordeste? E qual seria a grande força? E aí o debate se expande a outros clubes. com tanto peso quanto.

As conquistas nacionais de Bahia e Sport, os a supremacia regional do Vitória, a regularidade do Ceará, a torcida e o estádio do Santa, a história do Náutico. Enquanto o quarteto reacende a discussão (títulos, torcida, história, estrutura etc), confira o históricos das semis.
Para saber mais detalhes sobre a semifinal, clique aqui.
Sport x Bahia – O clássico com os únicos campeões nacionais de elite da região tem um retrospecto muito favorável ao Baêa. Em seis mata-matas oficiais, 5 x 1 para o Tricolor, que avançou nas quartas da Taça Brasil (1959 e 1963) e do Brasileiro (1988), na semi do Nordestão (1997) e ganhou uma final regional (2001). A favor do rubro-negro pernambucano, a semifinal da Copa do Nordeste de 1994. Em campo, destaque para nomes como Diego Souza, Durval e Magrão, contra Kieza, Léo Gamalho e Maxi Biancucchi.
Ida (08/04), Ilha do Retiro volta ( 12-04 ), Fonte Nova
Ceará x Vitória – O Vozão chegou à semifinal nos dois anos anteriores eliminando o mesmo adversário: o Vitória. Em 2014, uma goleada histórica, 5 x 1 no PV. Neste ano, agora na semi, o alvinegro – o único sem título no torneio – parece ainda mais encorpado, enquanto o leão baiano, mesmo com a melhor campanha geral, acusou o golpe pela eliminação precoce no Estadual – e, consequentemente, a perda da vaga no Nordestão de 2016. Retomando o foco, vira sério candidato ao penta. Em campo, Magno Alves x Neto Baiano.
Ida (08/04), Castelão. Volta (12/04), Barradão.
* As datas ainda podem ser modificadas pela CBF

Esportes: Por Cassio Zirpoli

domingo, 29 de março de 2015

Vitória goleia, elimina América-RN

Leão vence o quarto jogo contra o Alvirrubro e avança na Copa do Nordeste. Rhayner, Vander, Flávio e Luiz Gustavo marcam para os baianos; Cascata e Max descontam

 
O Vitória confirmou neste domingo, no Barradão, em Salvador, a soberania sobre o América-RN na Copa do Nordeste. O Leão venceu com propriedade os quatro jogos que fez contra o time potiguar. No último e decisivo encontro, a equipe baiana goleou por 4 a 2 o adversário para sacramentar a superioridade e avançar às semifinais da competição regional. Rhayner, Vander, Flávio e Luiz Gustavo marcaram os gols do Rubro-Negro, enquanto Cascata e Max diminuíram para o Alvirrubro, que ainda teve o zagueiro Zé Antônio expulso.


 


Com esse resultado, o Vitória confirma a vaga nas semifinais da Copa do Nordeste e vai enfrentar o Ceará na próxima fase. O outro confronto será entre o Bahia, que superou o Campinense, e Sport, que venceu o Fortaleza nos pênaltis.
O jogo
Com a equipe desfalcada no setor ofensivo, o técnico Roberto Fernandes escalou o América-RN com cinco homens pelo meio. A intenção era reforçar a marcação, mas o Alvirrubro não contava com a eficiência da bola parada do Vitória. O atacante Rhayner surpreendeu a todos e cobrou no cantinho para abrir o marcador e assinar o primeiro gol dele como profissional cobrando falta. Precisando vencer a qualquer custo, o treinador alvirrubro colocou o time pra frente colocando mais um atacante em campo. Mas foi o Leão quem marcou de novo. Numa falha da zaga americana, Rhayner encostou de cabeça e Vander ganhou de Zé Antônio para bater na saída do goleiro Busatto e ampliar o placar. Aos 46, Max deu belo passe para Cascata e o meia pegou de primeira, de fora da área, para diminuir para o Mecão e colocar o time de Natal de novo na briga pela vaga.
O jogo poderia ter sido diferente se o atacante Emérson não tivesse perdido um gol feito - embaixo da trave e sem goleiro - logo aos quatro minutos do segundo tempo. A resposta do Vitória não demorou e veio num contragolpe rápido puxado pelo Rhayner aos sete minutos. O atacante tocou para Mansur, que puxou a marcação e cruzou para trás. Flávio, sozinho, chutou e balançou a rede mais uma vez. Aos 19, o Vitória praticamente matou o jogo com o gol de escanteio marcado pelo meia Luiz Gustavo. Artilheiro da competição, Max marcou o sexto gol dele e ainda diminuiu para o América, que não teve forças para uma reação maior, principalmente de ter o zagueiro Zé Antônio expulso aos 33 minutos depois de um carrinho por trás em Neto Baiano.
Globo Esporte

Firmino sai do banco e garante vitória em teste do Brasil contra o Chile 8

Roberto Firmino parece ter consolidado uma vaga na seleção brasileira. O atacante teve pouco mais de 30 minutos em campo no amistoso contra o Chile, no estádio Emirates, na tarde deste domingo, em Londres, e garantiu a vitória brasileira por 1 a 0 ao marcar um bonito gol com direito a drible no goleiro Claudio Bravo antes da finalização. A entrada do jogador do Hoffeinheim-ALE  foi um dos testes realizados por Dunga de olho na Copa América, em junho. E valeu demais a experiência.




 A equipe de Dunga jogou com seis alterações em relação ao time que bateu a França por 3 a 1 no meio de semana. O meia-campo todo era diferente com a formação Souza, Fernandinho, Douglas Costa e Phillipe Coutinho. Luiz Adriano foi a opção como parceiro de Neymar sendo substituído por Firmino no decorrer do jogo. Já Robinho também teve chance ao jogar os 30 minutos finais da partida na vaga de Coutinho.

Se foi teste para o Brasil, o Chile levou a partida mais a sério. Não poupou titulares e aplicou grande maração em campo. Alexis Sanchéz teve bela atuação, ganhando vários combates individuais. Pelo lado do Brasil, destaques para Firmino, claro, Danilo e Miranda. Neymar sofreu com a violência chilena e foi discreto.

Fases do jogo

Brasil e Chile se comportaram de forma muito parecida em campo. E a marcação pressão bem feita foi o ponto forte dos times. Os goleiros Jefferson e Bravo tiveram grandes participações com os "chutões" ao campo de ataque.

As jogadas nascidas no campo de defesa eram raras. O volante Souza pouco se apresentou para sair com a bola, e a marcação chilena também estava bem encaixada pelos lados do campo. Culpar a falta de entrosamento também não é o caso. Foi por ela, por exemplo, que Dunga apostou na dupla do Shakhtar Donetsk-UCR, Douglas Costa e Luiz Adriano.

No duelo de muito contato físico entre os times, como nas oitavas de final da Copa do Mundo, a velocidade de Alexis Sanchéz fazia a diferença. O atacante chileno fechava a linha defensiva pela direita e aparecia dos dois lados do campo quando a equipe tinha a bola. O jogador do Arsenal prevaleceu em alguns confrontos individuais contra os brasileiros, mas não teve as jogadas criadas pelo extremo transformadas em boas ocasiões de gol.
 
No Brasil, Neymar sofria com forte marcação e revezamento de faltas. Do zagueiro chileno Medel levou um pisão na panturrilha direita. O camisa 10 terminou a primeira etapa sem finalizações. A única boa chance foi um chute de Douglas Costa para fora após bom passe de Marcelo.
 
 Os dois times voltaram para o segundo tempo com a mesma formação, mas com maior preocupação na criação de jogadas. Phillipe Coutinho, então sumido, colou em Neymar, e com o auxílio de Marcelo, deixou o lado esquerdo brasileiro forte ofensivamente.
 
Só que o meia do Liverpool teve pouco mais de 10 minutos em campo, e foi substituído por Robinho. Por sinal, Dunga ainda coloc ou Roberto Firmino, William e Elias. 
Com as alterações, o Brasil ganhou muita mobilidade com Robinho pela esquerda, jogando exatamente na faixa ocupada por Coutinho, e Firmino no meio. Cansado, o time chileno sofreu demais para seguir com a forte marcação e Firmino aproveitou aparecendo livre no meio da zaga para garantir a vitória aos 27 minutos após bom lançamento de Danilo. O teste de Dunga terminou sendo proveitoso e vitorioso. 
 
O melhor: Danilo. O lateral ganhou bolas aéreas, jogou próximo a Douglas Costa no primeiro tempo e foi bem na marcação. Ainda foi o responsável pela assistência a Roberto Firmino no gol do Brasil. 
 
O pior: Souza. Cadê? O volante funcionou bem ajudando a encaixar a marcação pressão,mas quando o Brasil tinha a bola ficou preso entre os meias adversários e não se apresentou como solução para a saída de jogo. Elias fez isso quando o substituiu.. 
 
Para lembrar:
 
Maioria chilena. Eram vários chilenos presentes do Emirates. Além disso, a maioria da torcida do Arsenal que foi ao estádio incentivou o time por conta do ídolo do clube atualmente, o atacante Alexis Sanchéz. O Brasil parecia jogar no campo adversário.
 
Pisão. Caído no chão, Neymar levou um pisão de Millar na panturrilha direita. O lance não foi visto pelo árbitro. 
 
Vaiado. William foi muito vaiado ao entrar em campo. A cada vez que tocava na bola também era perseguido pela torcida. O motivo é o fato do jogador atuar pelo Chelsea, o rival do Arsenal. O mesmo aconteceu com Fillipe Luís pouco depois.
 
FICHA TÉCNICA
CHILE 0 X 1  BRASIL
 
Data: 29 de março de 2015, domingo
Local: estádio Emirates, em Londres, na Inglaterra
Árbitro: Martin Atkinson (Inglaterra)
Cartão amarelo: Albornoz (CHI); Thiago Silva, Neymar (BRA)
Gols: Roberto Firmino, aos 27 min do 2º T.
 
CHILE: Bravo; Medel, Jara, Albornoz; Isla, Millar (Fernández), Aranguiz, Mena (González), Vidal (Vargas) e Alexis Sanchéz; Pablo Hernandéz.
Técnico: Jorge Sampaoli
 
BRASIL: Jefferson; Danilo, Thiago Silva, Miranda, Marcelo (Fillipe Luís); Souza (Elias), Fernandinho, Douglas Costa (William), Phillipe Coutinho (Robinho); Neymar e Luiz Adriano (Roberto Firmino)
Técnico: Dunga
 
Uol Esporte Futebol

Empresário de Neymar diz que há esquema para convocação da seleção 58

Empresário de Neymar, Lucas e outros diversos astros do futebol brasileiro, Wagner Ribeiro disse em entrevista ao jornal o Diário de S.Paulo que existe esquema envolvendo dinheiro para que jogadores sejam convocados para a seleção brasileira.

"Claro que existe. Já teve até um presidente do Sport (Luciano Bivar) que admitiu ter pago para levar o Leomir (Leomar) ser chamado pelo Leão. Só não tenho como provar outros casos, mas rola sim. Também existe muito negócio na base, com gerente e treinador levando dinheiro para aprovar jogador", afirmou.




Sem papas na língua, ele criticou também os valores gastos para a construção dos estádios para a Copa do Mundo de 2014.

Os gastos com o estádio da Copa (é o que há de mais sujo no futebol brasileiro). Alguns custaram R$ 1,5 bilhão e todo mundo sabe que foi superfaturado. Teve o Lava Jato e agora esse é o Arquibancada Jato", disse Ribeiro, que revelou ser torcedor do São Paulo.
Na entrevista, ele revelou também que ficou quebrado em decorrência de seu divórcio há alguns anos e que tomou calotes de diversos clubes brasileiros, tendo ainda uns R$ 3 milhões a receber.

Ribeiro afirmou ainda que pode vender o atacante Gabigol, do Santos, por até R$ 90 milhões no meio do ano.

"Ele tem 18 anos, biotipo bom, chuta forte. Eu já tive proposta de R$ 35 milhões do Wolfsburg em janeiro. Se o Gabigol jogar como titular e fizer uns golzinhos, vendo no meio do ano por R$ 90 milhões", disse.

Uol Esporte Futebol

Jogadores declaram boicote coletivo à seleção a dois dias da eleição na CBFS

Atletas com passagem pelo time canarinho se organizam e divulgam diversos vídeos pessoais com declarações fortes contra a entidade máxima do futsal brasileiro
 
"Não haverá seleção brasileira". A frase entoada por Falcão no início da última semana ganhou ares oficiais neste sábado. Dispostos a mudarem o rumo do futsal no país, diversos jogadores se organizaram e decidiram por um boicote à seleção heptacampeã mundial (assista ao lado a vídeo com depoimentos de diversos jogadores). O motivo é a crise política e financeira que assola a Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS). Endividada em R$ 6 milhões e impedida de negociar patrocínio com estatais devido à reprovação de um de seus balanços, a entidade - que cancelou a organização da Copa América por falta de dinheiro, no início do mês - elege o seu novo presidente na próxima terça-feira, em Fortaleza.
- Não concordo com nada do que está acontecendo. Já declarei e continuo declarando. Estou feliz em ser um dos puxadores dessa campanha, em benefício do esporte e do futsal. Não podemos aceitar o errado. Estamos brigando por uma gestão limpa, séria e que beneficie apenas o esporte. Eu, Neto, Rodrigo e Tiago estamos juntos desde o início desse episódio e vimos o absurdo do absurdo que está acontecendo. Nós atletas vamos comprar essa briga, porque só nos podemos mudar isso. Quanto mais a gente se fortalece a gente enfraquece essa chapa e essa gestão - comentou Falcão em seu vídeo.




O estopim para a revolta dos jogadores foi a aliança entre Marcos Madeira - candidato único à presidência da CBFS e ex-opositor - a Louise Bedé, integrante da atual diretoria e futura vice-presidente de competições. A união entre os dois grupos inviabilizou a candidatura de Nilton Romão, candidato apoiado pelos atletas. Enfraquecido politicamente, Romão desistiu de disputar a eleição, abrindo caminho para a vitória de Madeira na terça-feira. Em protesto com o acontecimento, a comissão técnica da seleção se reuniu e entregou o cargo na última segunda-feira.
- Oposição e atual administração juntas? Estou fora. Com esse cenário, não pretendo fazer parte da seleção brasileira, afinal aliar-se ao inimigo não faz parte da minha conduta. É uma decisão que até quando vai durar eu não sei - disse Neto, eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa, em 2012.

Este é o segundo boicote coletivo de jogadores à seleção brasileira de futsal no espaço de um ano. Em março de 2014, Falcão anunciou que não defenderia mais o time verde-amarelo por problemas de relacionamento com o diretor de seleções da CBFS, Edson Nogueira. Na ocasião, o jogador aproveitou para divulgar desmandos na administração da entidade, então presidida por Aécio de Borba Vasconcelos. Apoiado por Neto e Tiago, os principais atletas só voltaram a atuar pela seleção em setembro no amistoso contra a Argentina, no Mané Garrincha, jogo de maior público da história do futsal.



O boicote fez o grupo liderado por Marcos Madeira iniciar uma oposição à diretoria da CBFS. Em maio, Aécio teve a sua primeira derrota política, com a reprovação do balanço financeiro referente ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. Incapacitado de negociar contratos com estatais devido à reprovação das contas e envolvido em denúncias de corrupção e nepotismo, Aécio renunciou à presidência em junho.
Em seu lugar, assumiu Renan Tavares, que antes ocupava o cargo de vice-presidente de competições. Integrante da antiga diretoria, Louise Bedé assumiu a vice-presidência administrativa. Desde então, o grupo vinha sofrendo forte oposição de Madeira, até o mesmo aproximar-se de Louise nas últimas semanas. O fato revoltou jogadores, que não encontraram mais clima para continuar defendendo a seleção.
Renan Tavares poderia ocupar a presidência da CBFS até o fim de 2017, quando se encerraria o mandato de Aécio de Borba Vasconcelos. Por estar incapacitado de negociar contratos com estatais e sem patrocinador master na CBFS desde o fim de 2013, ele decidiu antecipar as eleições a fim de tentar melhorar o quadro. Participam da eleição da próxima terça-feira, na sede da CBFS, em Fortaleza, os presidentes das 27 federações estaduais filiadas. Com apoio quase total à sua candidatura, Madeira deve ser eleito por aclamação.

Globo Esporte

ABC derrota Alecrim na abertura do 2º turno do Estadual

Gols foram marcados por Erivelton e Kayke, ambos na segunda etapa de jogo; na próxima rodada, time abecedista enfrenta o Potiguar

 
Na abertura da Copa Rio Grande do Norte, segundo turno do Campeonato Potiguar, o ABC derrotou o Alecrim por 2 a 0, em partida disputada no estádio Frasqueirão. Os gols do Alvinegro foram marcados por Erivelton e Kayke, ambos na segunda etapa de jogo.
 
 
 
 
Com a vitória, o time abecedista chegou aos três pontos e é o líder momentâneo da competição. A equipe esmeraldina ainda não somou pontos.
 
No segundo tempo, o técnico do Alviverde colocou em campo o meia Felipe Moreira, que havia sido vetado por estar com dengue. A alteração causou a saída do estádio do médico da Federação Norteriograndense de Futebol (FNF), Aelson Moacir. Antes de deixar o gramado, o profissional solicitou ao médico abecedista, Roberto Vital, que fizesse o atendimento aos atletas alecrinenses, caso fosse necessário
 
 
 
 
Na próxima rodada, o ABC encara o Potiguar de Mossoró no estádio Frasqueirão, no sábado (4), às 19h15. Já o Alecrim terá pela frente o Globo no domingo (5), às 17h, em local ainda não definido. A diretoria do Verde corre contra o tempo para acertar os detalhes exigidos pelo Corpo de Bombeiros para liberar o Ninho do Periquito.
Confronto equilibrado
O ABC iniciou o jogo pressionando o Alecrim. Logo no primeiro minuto de jogo, Fabinho Alves mandou a bola na área, Suéliton cabeceou e a bola passou à esquerda do gol. Na sequência, mais uma chegada perigosa do Alvinegro. Kayke recebeu na área, se livrou do goleiro e chutou, o lateral Olavio salvou em cima da linha.
Após a pressão inicial, o time esmeraldino se acertou em campo e chegou com perigo aos 16 minutos. Yguinho recebeu de Quirino, girou e bateu forte, Saulo espalmou para escanteio. Apesar do lance, a equipe abecedista seguiu com mais posse de bola e presença ofensiva. Aos 18, Lima avançou pela esquerda e cruzou, mas a defesa alecrinense foi mais rápida do que o ataque e afastou.
Aos 26 minutos, o técnico do ABC, Josué Teixeira, perdeu o volante Nen, machucado, e colocou em campo Neto Coruja. A mudança não mudou a postura em campo. Aos 31, Júlio César ajeitou para Kayke, que bateu forte, mas por cima da trave. Aos 38, mais uma chegada do Alvinegro. Após cruzamento, a bola ficou solta na pequena área, mas Kayke não conseguiu chutar e a zaga Alviverde afastou o perigo.
Nos minutos finais da primeira etapa, o time esmeraldino ainda teve a chance de abrir o placar em cobrança de falta, mas a defesa alvinegra afastou e garantiu o 0 a 0 nos primeiros 45 minutos de jogo.
Alívio abecedista
 
Na volta para o segundo tempo, Neto Coruja, que havia entrado aos 26 do primeiro tempo, saiu de campo machucado e Michel entrou em seu lugar. E foi ele quem criou a primeira chance da etapa final em chute de fora da área aos 2 minutos.
No lance seguinte, aos 4 minutos, o ABC abriu o placar. O meia Erivelton dominou na área, girou e bateu forte, a bola entrou no ângulo, sem chance para Danilo. Um golaço e vantagem abecedista. Após o gol, a equipe alecrinense respondeu aos 8 em finalização de Emerson, que saiu pela linha de fundo.
Em busca do prejuízo, o Alviverde foi para o ataque e quase empatou aos 14 minutos. Após cobrança de escanteio, Quirino ajeitou de cabeça para Yguinho chutar e mandar para fora.
O ABC acordou e respondeu aos sustos. Aos 24 minutos, Erivelton avançou pela direita e rolou para Kayke, que sem marcação tocou por cima do goleiro e ampliou o placar: 2 a 0. Aos 30, a situação alecrinense ficou mais complicada. O lateral Fernandes fez falta dura, recebeu o segundo amarelo e foi expulso.
Com a vantagem e um jogador a mais, o Alvinegro passou a controlar a posse de bola. Ainda assim, a equipe criou boas chances de ampliar o marcador. Aos 43 minutos, Fabinho Alves teve a melhor delas. O atacante recebeu de Reginaldo, mas finalizou por cima, deixando o placar final em 2 a 0 para os donos da casa.
Ficha Técnica
Local: Estádio Frasqueirão, Natal (RN)
Árbitro: Leandro Saraiva
Cartões amarelos: Erivelton, Suéliton, Leandro Amaro (ABC); Fernandes (Alecrim)
Cartão vermelho: Fernandes (Alecrim)
ABC: Saulo, Reginaldo, Suéliton, Leandro Amaro e Lima; Fábio Bahia, Nen (Neto Coruja) (Michel) e Erivelton; Kayke, Fabinho Alves e Júlio César (Daniel Amora). Técnico: Josué Teixeira.
Alecrim: Danilo, Olavio, Geilson, Emerson e Fernandes; Arez, Bacabau, Piuba (Felipe Moreira) e Diego Maia; Quirino (Douglas) e Yguinho (Dieguinho). Técnico: Anthoni Santoro

Portal no Ar

sábado, 28 de março de 2015

Fla bate Bonsucesso, vence 6ª seguida e assume liderança do Carioca 1

O Flamengo é o novo líder do Campeonato Carioca. Neste sábado, o Rubro-negro não jogou bem, mas bateu o Bonsucesso por 2 a 0, no Engenhão. Os gols de Marcelo Cirino e Matheus Sávio garantiram o sexto triunfo consecutivo no Estadual. Com 32 pontos, o time comandado por Vanderlei Luxemburgo aguarda o complemento da rodada na expectativa de confirmar a primeira posição na tabela.



No próximo final de semana, o Flamengo tem pela frente o clássico contra o Fluminense, domingo, no Maracanã. Já a equipe da Leopoldina - 14º lugar, com oito pontos - visita no mesmo dia o Nova Iguaçu.
Fases do jogo: O Bonsucesso mostrou ousadia logo no início. Aos 3min, Paulo Victor fez defesa milagrosa em cabeceio à queima-roupa de Denílson. O Flamengo parecia instável e ainda perdeu Canteros após uma pancada no joelho. Luiz Antonio o substituiu. O time procurou espaços e encontrou uma brecha aos 17min. Anderson Pico cruzou, Alecsandro fez o corta luz e Marcelo Cirino arrematou com categoria para abrir o placar.

A equipe da Gávea permaneceu em ritmo lento apesar da vantagem e do domínio na posse de bola. Luiz Antonio arriscou chute de fora da área, enquanto o Bonsucesso buscou as jogadas pelas laterais. Em uma delas, Paulo Victor fez mais uma grande defesa em batida de Cristiano aos 38min.
O Flamengo voltou para o segundo tempo com o jovem Matheus Sávio no lugar de Eduardo da Silva. O objetivo de Vanderlei Luxemburgo era proporcionar jogadas de infiltração, já que o brasileiro naturalizado croata foi peça nula no jogo. Mas a equipe rubro-negra definitivamente não esteve em um bom dia. O time pouco criou e ainda ampliou o placar. Aos 31min, Matheus Sávio cobrou falta para a área. A bola passou por Wallace e Marcelo antes de morrer no fundo da rede de Preto.

Aos 38min, o goleiro Paulo Victor ainda defendeu pênalti cobrado por Fernando e garantiu de vez a vitória sem sustos do Rubro-negro. O líder do Campeonato Carioca deixou o gramado aplaudido pelo resultado em um dia no qual esteve longe do futebol esperado pela torcida.

O melhor: Paulo Victor - O goleiro do Flamengo fez duas grandes defesas e ainda pegou um pênalti no final do segundo tempo.
O pior: Eduardo da Silva - O brasileiro naturalizado croata praticamente não tocou na bola e deu ao lugar ao jovem Matheus Sávio.
Chave do jogo: O gol de Marcelo Cirino aos 17min do primeiro tempo foi o suficiente para encaminhar a vitória do Rubro-negro.

Para lembrar: Foi a primeira vitória do Flamengo com a camisa Papagaio de Vintém em 2015. O modelo não costuma trazer muita sorte, embora o técnico Vanderlei Luxemburgo tenha garantido que a superstição não influi no rendimento do time.

BONSUCESSO 0 X 2 FLAMENGO

Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro
Auxilares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Rodrigo Pereira Joia
Renda: R$ 142.820,00
Público: 4.207 pagantes / 5.707 presentes
Cartões amarelos: Fernando e Elton (Bonsucesso); Márcio Araújo, Matheus Sávio, Thallyson e Marcelo (Flamengo)
Gols: Marcelo Cirino, aos 17min do primeiro tempo, Matheus Sávio, aos 31min do segundo tempo

Bonsucesso Preto; Ryan, Jadson, Elton e Cristiano; Marquinhos, Matheus Salgado (Geovani) e Fernando; Deivyson (Guttiner), Denílson (Edson Pitbull) e Lucas Fernandes
Técnico: Marcelo Salles

Flamengo Paulo Victor; Pará, Wallace, Marcelo e Anderson Pico (Thallyson); Márcio Araújo, Canteros (Luiz Antonio) e Eduardo da Silva (Matheus Sávio); Gabriel, Alecsandro e Marcelo Cirino
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Fonte: Uol Esporte Futebol

Início do Campeonato Municipal de Futebol será neste domingo, 29



A Comissão organizadora do XVI Campeonato Municipal de Futebol de campo, Francisco Alberto, Geovane Ferreira e Francisco Agnaldo informam a todos os desportistas de nosso Paraná/RN e região que a competição terá início neste domingo dia (29) de Março, a partir das 15h45 no Estádio Pedro Caracol, localizado à margem da RN 117, entre as equipes do Paraná  F C x Monte Alegre F C., com a arbitragem de Gilvan, Marquinhos e Ivanildo.

O campeonato terá a participação das seguintes equipes: Caiçara F C, Liver Pool, Jardinense, Associação A. de Caiçara, Paraná F C, Carnaubinha dos Rochas e Monte Alegre F C.

O Campeonato de Futebol tem o apoio total da Prefeitura Municipal, através da Prefeita Oriana Rodrigues

O objetivo principal da competição é de oportunizar aos atletas vivências que promovam o auto conhecimento, auto estima, auto superação e o senso de cooperação, como forma de desenvolvimento integral, usando como meio a prática desportiva e visa também, à descoberta de novos valores entre as equipes participantes.

Contrário aos rumos da CBFS, Falcão avisa: "Não haverá seleção brasileira"

Camisa 12 lidera movimento de jogadores que reivindica mudanças no comando da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) e afirma que grupo está fechado

 
A seleção brasileira de futsal ainda não entrou em quadra em 2015. E pode ser que não tenha jogadores para fazer isso na sequência da temporada. Isso porque o ala Falcão lidera um movimento com os principais jogadores da modalidade contra os rumos que a Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) tem tomado. Segundo os jogadores, nada muda com a troca de comando, que acontecerá no fim do mês em eleições realizadas na entidade.



Marcada para o próximo dia 31 de março, a eleição à presidência da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) terá candidato único. Apenas o presidente da Federação Mineira, Marcos Madeira, registrou a sua candidatura. Candidato apoiado por Falcão e pelos principais jogadores da seleção, Nilton Romão, o "Ramon", desistiu do pleito em protesto à aliança de Marcos Madeira com o grupo político do atual presidente da CBFS, Renan Tavares, que indicou uma de suas vices, Louise Bedé, para o cargo de vice-presidente de competições. A situação e indefinição sobre o futuro do futsal brasileiro irritam o maior craque da modalidade no Brasil, o ala Falcão.
– Da forma como foi montada e como está seguindo essa chapa, os atletas e os clubes estão fechados. A gente não concorda, pois pessoas que se digladiavam hoje estão juntas em benefício do poder e não irão acrescentar nada para o futsal. Nós estamos juntos. Assim como a comissão técnica declarou a saída, nós jogadores também não aceitamos e continuamos batendo o pé – desabafa o camisa 12.
Nesta segunda-feira, todos os membros da comissão técnica da seleção brasileira entregaram seus cargos. Com isso, o Brasil está sem treinador a um ano e meio do Mundial da Colômbia, uma vez que o técnico Serginho Schiochet comunicou que não continua à frente da seleção. Falcão afirma que os jogadores também não irão representar o Brasil sob comando de Madeira na CBFS.

– Eles estão brigando por um poder que não existe, querem a CBFS pelo poder e pela seleção brasileira. Possivelmente não vai haver Seleção brasileira. Estamos bem fechados quanto a isso, não sei qual o rumo que eles vão tomar e essa chapa poderia ser formada de outra forma. Os clubes não irão liberar jogadores e nós iremos tentar de todas as formas, via CBF, de puxar a seleção de alguma forma. Se não tiver jeito, vamos deixar eles se enforcarem até o fim – disse Falcão.

O camisa 12 está com o Sorocaba em Jaraguá do Sul onde, a partir desta terça-feira, inicia a disputa da Taça Brasil de Futsal.

ENTENDA O CASO

Atual presidente da CBFS, Renan Tavares poderia ocupar o cargo até o fim de 2017, quando se encerraria o mandato de Aécio de Borba Vasconcelos, destituído no ano passado. A antecipação das eleições se dá pelo fato de a entidade estar incapacitada de negociar patrocínios com empresas estatais, por conta da reprovação do balanço referente ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. Devido às dificuldades financeiras, a CBFS desistiu de organizar a Copa América, que aconteceria esta semana, em São Bernardo do Campo (SP).
Patrocinador master da seleção até o fim de 2013, os Correios não renovaram a parceria após a reprovação do balanço, já que a lei brasileira não permite que estatais patrocinem confederações esportivas que não estejam em dia com as suas contas. O máximo que a entidade conseguiu no ano passado foi fechar patrocínios pontuais para os compromissos da seleção. Assim foi noamistoso contra a Argentina no Mané Garrincha, em setembro, e no Grand Prix de Futsal, em novembro. Em ambas as ocasiões, os Correios estamparam sua marca na camisa brasileira, assinando contrato como patrocinador dos dois eventos.



Desde que assumiu o cargo, Renan tentou, de várias maneiras, aprovar o balanço reprovado. Em agosto do ano passado, a CBFS realizou nova assembleia que decidiu voltar atrás na decisão anterior e aprovar as contas referentes ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. No entanto, a reunião não contou com representantes das federações opositoras, o que fez com que o caso fosse parar na Justiça.
No mesmo mês de agosto, o juiz da 7ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza, Fernando Luiz Pinheiro Barros, concedeu liminar anulando a aprovação do balanço. Em dezembro, a CBFS conseguiuanular a liminar na 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, ficando apta a voltar a negociar com patrocínios. A alegria, no entanto, durou pouco tempo, já que a oposição contestou a validade da liminar, o mérito voltou a ser julgado e o balanço foi definitivamente reprovado pela Justiça.

Globo Esporte


Fifa manda Fla pagar mais de R$ 100 mil ao Vasco, clube formador de Love

Rubro-negro não repassou quantia de direito de vascaínos, Campo Grande e Palmeiras na compra de atacante em 2012 e agora tem 30 dias para quitar dívida

 
Vencedor dos dois clássicos no ano - uma num torneio amistoso em Manaus, outra no duelo da semana passada pelo Carioca -, o Flamengo sofreu uma pequena derrota no tribunal da Fifa para o rival. Três anos depois do clube rubro-negro comprar o atacante Vagner Love ao CSKA, da Rússia, a entidade máxima do futebol bateu martelo e condenou o Flamengo a pagar, em 30 dias, Vasco, Palmeiras e Campo Grande como clubes formadores do atual jogador do Corinthians.

Love passou dois anos na categoria de base do Vasco - jogando no mirim e no infantil. Pelo mecanismo de solidariedade, o Vasco tem direito a receber pouco mais de € 31 mil - na moeda brasileira, com juros de 5% anuais sobre este valor, a quantia chega a cerca de R$ 120 mil. O Campo Grande vai receber um pouco menos do que os vascaínos e o Palmeiras, clube onde Love completou sua formação e chegou aos profissionais, cerca de R$ 15 mil.

Em janeiro de 2012, sob condução do ex-vice de finanças Michel Levy, o Flamengo aceitou pagar em quatro parcelas € 10 milhões (quase R$ 30 milhões) pelos direitos econômicos do atacante. Os russos receberam € 4 milhões, e os € 6 milhões restantes terminaram perdoados na negociação de retorno do atacante para o CSKA.


Porém, no ato da compra, o Flamengo não repassou o valor obrigatório para clubes formadores. Vasco e Campo Grande entraram com processo na Fifa, por meio da advogada Luciana Lopes, que ainda representa o clube cruz-maltino em casos de mecanismo de solidariedade. Três anos depois, a decisão finalmente saiu e o Fla tem 30 dias para pagar aos clubes formadores.
O vice-presidente jurídico do Flamengo, Flavio Willeman, lembra que, ao menos, a Fifa aceitou os argumentos do clube, provando que o valor da compra terminou sendo "apenas" € 4 milhões, não os € 10 milhões acordados anteriormente. Ou seja, os 5% que devem ser destinados aos clubes formadores incidem sobre o menor valor.
Segundo o dirigente do Flamengo, o CSKA da Rússia será da mesma maneira obrigado a reembolsar o clube por esse valor recebido e que deveria ser destinado aos clubes formadores.
- Eles (clubes) queriam que fosse pelo percentual de € 10 milhões, no que não concordamos. Agora, não tem o que fazer. Entre pagar com base de cálculo de € 10 milhões ou € 4 milhões, pago com € 4 milhões. São € 6 milhões de diferença. A mesma decisão que condena o Flamengo a pagar os outros clubes, condena o CSKA a pagar o Flamengo - disse Willeman.
Entenda como funciona o mecanismo da solidariedade

A Fifa criou o mecanismo de solidariedade para repassar um percentual de transferência internacional para os clubes formadores de jogador. Estes clubes têm direito a 5% do valor da transação. Como no caso de Love, o percentual pode ser dividido por todos os clubes onde o jogador passou, dos 12 aos 23 anos de idade. No caso de o atleta ter ficado até menos que um ano, a equipe ainda assim tem direito ao valor proporcional ao período. 
Fonte: Globo Esporte

Saiu a tabela da CPF 2015



Acaba de ser divulgada toda a tabela da CPF 2015, a competição que estava marcada para começar no dia 11 de abril, foi adiada em uma semana, e agora será no dia 18 do mesmo mês.

A mudança deve-se pelo fato de alguns ajustes necessários.

A competição vai até o dia 26 de junho, dia do aniversário da cidade de Major Sales.

Como esse ano a segunda fase já será na cidade sede, as partidas da ferida fase, assim como as quartas de finais, serão realizados dois jogos por dia.

Além da tabela que está com link em dois lugares, em cima TABELA/CLASSIFICAÇÃO e ao lado em MENU, o internauta também já pode conferir a Ficha de Inscrição.

Quanto ao regulamento da edição de 2015, será publicado na próxima semana.

Confira a TABELA também clicando AQUI

Fonte: Copa Primo Fernandes

quinta-feira, 26 de março de 2015

Seleção vira contra a França em Paris e vence a sétima partida no pós-Copa

Equipe nacional sai atrás em gol parecido com o de Zidane, na final de 1998, mas vira com autoridade e participação decisiva de Jefferson, Oscar, Neymar e Willian

7 a 0 para o Brasil. Não, não é sonho com a revanche da Copa do Mundo, e sim o retrospecto depois do torneio: sete jogos, sete vitórias. Nesta quinta-feira, talvez o mais difícil desses sete “gols” foi marcado. A Seleção saiu atrás da França, mas virou com autoridade no Stade de France, palco da final de 1998 e onde o Brasil jamais havia marcado sequer um gol em três jogos contra os anfitriões: 3 a 1.

Colômbia, Equador, Argentina, Japão, Turquia, Áustria e França. É claro que nada tira o peso do vexame do Mineirão, mas nesses amistosos, o Brasil jogou como exige o futebol moderno: compacto, rápido, letal. Sinônimos de Neymar, que fez seu 43º gol pela Seleção e igualou-se a Jairzinho (presente na comissão técnica) e Rivellino na quinta posição do ranking.
Varane rima com Zidane. Quando fez 1 a 0 em cabeçada certeira e muito parecida com a do gênio há 17 anos, o fantasma ameaçou rondar Paris. Só ameaçou. Varane é só Varane. Zidane surgiu em campo apenas antes do jogo, para ser homenageado ao lado de Desailly, Vieira e Thierry Henry, craques históricos da França.
Aplicado na marcação, o Brasil usou e abusou do “estilo Dunga”. Combate intenso, e muita velocidade entre roubar a bola e finalizar. Neymar de dentro da área e Firmino de fora exigiram boas defesas de Mandanda, mas nada semelhante ao que fez Jefferson, monstruoso ao defender cabeçada de Benzema e finalização de Griezmann.



No fim do primeiro tempo, Oscar tabelou com Firmino e deu um bico (literalmente) no fantasma azul: 1 a 1. Placar mais adequado à realidade do primeiro tempo.
Para vencer, o Brasil precisava dos melhores jogadores pós-Copa: Willian e Neymar. O meia do Chelsea encontrou o atacante do Barcelona, que invadiu a área e, já num ângulo difícil, acertou um chute que só é permitido a craques. Uma bomba!




Também saiu dos pés de Willian o terceiro gol, em cobrança de escanteio para Luiz Gustavo cabecear no cantinho. Gol que jogou nas águas do Rio Sena a pressão francesa e trouxe o jogo para total domínio. A primeira vitória no Stade de France foi embalada por “olé”. Zidane, das tribunas, deve ter gostado. Melhor para o Brasil que ele veja de fora...

Fonte: Globo Esporte

Conheça os clubes que conseguiram vencer a Seleção Brasileira

 

Por: Jonathan Silva

Sem considerar jogos-treinos, disputa de combinados ou jogos com restrições de convocação, o Gol de Canela F.C destaca para vocês quais foram os clubes que um dia conseguiram vencer a Seleção Brasileira:

BRASIL 0 x 1 Dublin Football Club (Uruguai)






 O Dublin foi um clube de futebol uruguaio que deve grande expressão durante a época amadora do futebol uruguaio. Conseguiu ser o primeiro clube a vencer a Seleção Brasileira

Dublin Football Club foi extinto em 1923

DATA - 27/1/1918
ESTÁDIO - Campo do Botafogo
CIDADE - Rio de Janeiro

Escalações da equipes:

BRASIL – Marcos; Vidal, Chico Neto; Police, Amílcar, Ítalo; Formiga, Dias, Friedenreich, Neco e Rodriagues. Técnico: Amílcar

Dublin Football Club  - Mangarinos; Montes, Urdinaran; Conture, Orizaia, Vanzino; Carbone, Scarone, Bronzillo, Romano e Maran. Técnico: (A equipe de Montevidéu não tinha um técnico na época)

GOL – Dublin : Maran

BRASIL 2 x 3 Santa Cruz






 A Seleção Brasileira, vindo da Itália depois de finalizar sua participação na Copa do Mundo de 1938, permaneceu em Recife para realizar amistosos contra as equipes do Sport (Brasil venceu por 5 a 4), Náutico (Brasil venceu por 8 a 3) e o Santa Cruz.

Com a vitória por 3 a 2, o Santa Cruz foi o primeiro time do Brasil a conseguir derrotar a Seleção Brasileira.

DATA - 10/10/1934
ESTÁDIO - Campo da Avenida Malaquias
CIDADE - Recife

Escalações da equipes:

BRASIL - Pedrosa; Rogério, Vicente; Ariel, Martim Silveira, Canalli; Átila, Waldemar de Brito, Leônidas da Silva, Armandinho e Patesko. Técnico: Carlito Rocha

Santa Cruz- Dadá; Marcionilo, João Martins; Zezé, Furlan, Ernani; Valfrido, Lauro, Chinês, Sidinho e Estevam. Técnico: Ilo Just

GOLS – Brasil: Waldemar de Brito e Patesko
Santa Cruz: Zezé (2 gols) e Sidinho.

BRASIL 0 x 2 Arsenal (Inglaterra)




 Essa partida aconteceu em Londres, no lendário estádio Highbury. Embora esse time tenha se apresentado como a Seleção Brasileira, todos os jogadores atuavam no Corinthians.




 DATA - 16/11/1965
ESTÁDIO - Highbury Stadium
CIDADE - Londres (Inglaterra)

Escalações da equipes:

BRASIL – Marcial; Galhardo (Jair Marinho), Eduardo, Clóvis, Édson "Cegonha"; Dino Sani, Rivelino, Marcos, Flávio; Ney e Geraldo (Gílson Porto). Técnico: Oswaldo Brandão

Arsenal – Burns (Fornell); Howe, Storey, Neil; Curt, McLintock; Skirton, Sammels, Baker, Eastham e Armstrong. Técnico: Billy Wright

GOLS – Arsenal: Sammels (2 gols)

BRASIL 1 x 2 Atlético MG



 O Atlético vestiu a camisa vermelha da seleção mineira para enfrentar o Brasil em amistoso que foi acompanhado por cerca de 71 mil pessoas no Mineirão.




DATA - 3/9/1969
ESTÁDIO - Mineirão
CIDADE - Belo Horizonte

Escalações da equipes:

BRASIL - Félix; Carlos Alberto Torres; Djalma Dias, Joel Camargo, Rildo (Everaldo); Piazza, Gérson (Rivelino); Jairzinho, Tostão (Zé Carlos), Pelé e Edu (Paulo César Caju). Técnico: João Saldanha

Atlético-MG - Mussula; Humberto, Grapete, Normandes (Zé Oto), Cincunegui (Vantuir); Amauri (Beto), Oldair; Vaguinho, Dario, Lacy e Tião (Caldeira). Técnico: Yustrich

GOLS – Brasil: Pelé
Atlético MG : Amauri e Dario

BRASIL 0 x 2 Flamengo



 Com o objetivo de arrecadar fundos para a família do meia Geraldo, que havia falecido com apenas 22 anos de idade, a Seleção Brasileira enfrentou o Flamengo em um jogo que marcaria até hoje a ultima vitória de um clube sobre a seleção canarinha.

DATA - 6/10/1976
ESTÁDIO - Maracanã
CIDADE - Rio de Janeiro

Escalações da equipes:

BRASIL - Félix (Leão); Carlos Alberto Torres (Wladimir), Marinho Peres (Zé Maria), Piazza (Beto Fuscão), Marco Antônio (Rodrigues Neto); Clodoaldo (Givanildo), Rivelino (Ademir da Guia); Jairzinho (Gil), Pelé (Dario), Paulo César Caju (Neca) e Edu (Valdomiro). Técnico: Oswaldo Brandão

Flamengo - Cantarelli; Dequinha, Jaime (Andrade), Rondinelli (Paolino), Júnior; Merica (Zé Roberto), Tadeu (Dendê), Luís Paulo (Júlio César); Paulinho (Adílio), Zico (Júnior Brasília) e Luizinho (Marciano). Técnico: Cláudio Coutinho

GOLS - Flamengo: Paulinho e Luís Paulo

Curta nossa fan page: facebook.com/goldecanelafc

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/

terça-feira, 24 de março de 2015

Dunga evita comparação, mas diz que Romário foi mais goleador que Neymar

Em entrevista à "France Football", treinador da Seleção fala do desenvolvimento do craque do Barcelona e diz que jogador não tem limite para crescer na carreira

Dois dias após pisar na capital da França, o técnico Dunga conversou com a revista "France Football". Nesta terça-feira, a publicação divulgou uma longa entrevista com o comandante da seleção brasileira, que na próxima quinta-feira, às 17h (de Brasília), vai enfrentar os donos da casa, no Stade de France. No bate-papo, um dos principais temas foi o desempenho do atacante Neymar com a amarelinha.

Dos 14 gols marcados pela equipe sob o comando de Dunga, Neymar marcou sete.
- Neymar precisar trabalhar de forma coletiva, assim como todos os jogadores. A equipe será mais eficiente e mais vai estar à vontade se ele fizer isso. Eu o escolhi como capitão para apresentar-lhe mais um desafio. Ele é um jogador que ainda vai crescer muito. Ele não tem limite para crescer e não tenho como medir o quão longe ele vai.
Romário foi mais matador. Neymar é a criação e a conclusão 
 
 
Dunga ainda foi questionado sobre os estilos de Neymar e Romário. Na opinião do treinador, as características são diferentes,

- É difícil comparar. Romário foi mais goleador. Neymar é a criação e a conclusão. Antes, Neymar gostava muito do drible. Hoje, ele está preocupado com os dribles, mas também em marcar os gols - disse o comandante canarinho.
A revista ainda relembrou com o treinador a final da Copa do Mundo de 1998. Naquela ocasião, o Brasil foi derrotado por 3 a 0 e os franceses comemoraram o título mundial. Questionado sobre o problema de Ronaldo, Dunga afirmou que a história da partida poderia ter sido outra.
- Vamos dizer que o jogo seria mais equilibrado. Mas a França estava jogando em casa e foi crescendo durante o torneio. Os jogadores tinham experiência e outros eram novatos. Esse era um perfil parecido com o nosso time de 1994.
Globo Esporte

ABC estreia na Série B à noite; Confira dia e hora dos primeiros confrontos

Partida contra o time paulista acontece no Frasqueirão. Cinco primeiros jogos serão disputados à noite

 
 
A estreia e as nove partidas seguintes do ABC no início da Série B 2015 foram confirmadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). As 10 primeiras rodadas da competição foram desmembradas, com a estreia abecedista definida para o dia 9 de maio.

O clube potiguar fará sua estreia contra o Oeste-SP, 21 horas, no Frasqueirão. A partida acontece no Frasqueirão. Assim, pelo fato de iniciar a competição em casa, o clube encerrará fora contra o Boa Esporte-MG.

O primeiro confronto diante do Botafogo-RJ só ocorrerá na 18ª rodada da competição nacional, no Rio de Janeiro. A partida de volta acontece em Natal. A data e horário da partida ainda não foram confirmadas.
A competição começará no dia 8 de maio. A última rodada da edição de 2015 da Série B está marcada para 28 de novembro. Assim como nas edições anteriores, a Série B vai ser realizada sistema de pontos corridos.
Os quatro primeiros colocados garantindo presença na elite do futebol nacional em 2016. Já os quatro últimos vão ser rebaixados para a Série C.

Confira as 10 primeiras rodadas do ABC:

09/05 – 21h – ABC x Oeste-SP
12/05 – 21h – Criciúma-SC x ABC
22/05 – 19h30 – ABC x Luverdense-MT
26/05 – 21h – Santa Cruz-PE x ABC
02/06 – 19h30 – ABC x Bragantino-SP
06/06 – 16h30 – CRB-AL x ABC
09/06 – 19h30 – ABC x Paysandu-PA
20/06 – 16h – Vitória-BA x ABC
27/06 – 16h30 – ABC x Náutico-PE
04/07 – 16h30 – ABC x Macaé-RJ

Portal no Ar

domingo, 22 de março de 2015

É campeão! América vence Alecrim e conquista 1º turno do Estadual

Com o título, o Alvirrubro conquista uma vaga na Copa do Brasil e uma na Copa do Nordeste da temporada 2016

 
A Arena das Dunas foi palco do título do 1º turno do Campeonato Potiguar na noite deste domingo (22). Alecrim e América se enfrentaram e os rubros conquistaram a vitória por 2 a 0. Cascata abriu o placar no primeiro tempo e Max fechou o placar nos minutos finais da etapa final. Com a vitória, a equipe americana chegou aos 23 pontos e conquistou o primeiro turno do estadual, quatro pontos a mais do que o vice-líder ABC. De quebra, o Alvirrubro garantiu vagas na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste da temporada 2016.
 
 

 
O Alecrim encerrou a primeira parte do Estadual na terceira colocação com 18 pontos, e segue com o jejum de quase três décadas sem ser campeão de um turno sequer. A equipe esmeraldina aguarda a definição da tabela do segundo turno para voltar a entrar em campo.
 
Agora, o América volta as atenções para a Copa do Nordeste. Na competição regional, a equipe enfrenta o Vitória na próxima quinta-feira (26), às 21h30, na Arena das Dunas, pela partida de ida das quartas de final. No domingo (29), acontece o jogo de volta no estádio Barradão, em Salvador/BA, às 16h.
 
Jogo agitado
 
Jogando em território conhecido, o América partiu para o ataque desde o início e logo aos 3 minutos ficou com um jogador a mais em campo. Após segurar a bola com as mãos fora da área, o goleiro Fabiano foi expulso. O reserva Danilo entrou e precisou trabalhar imediatamente. Daniel Costa cobrou a falta, aos 7 minutos, e o goleiro defendeu. Na sobra, Walber finalizou e ele fez mais uma defesa.
 
Cascata abriu o caminho para a vitória americana (Foto: Wellington Rocha)


Em vantagem numérica, os rubros continuaram no ataque. Aos 13 minutos, Walber cruzou na medida para Max, que cabeceou e Danilo apareceu novamente. A resposta esmeraldina veio em seguida com Quirino, mas o chute saiu mascado e Busatto defendeu.
 
Mesmo com uma peça a menos em campo, o Alecrim seguiu marcando forte e impondo dificuldade ao ataque americano, que criou boa chance em bola alçada na área e cabeceio de Max que saiu pela linha de fundo, aos 23 minutos. O Alvirrubro seguiu criando as melhores chances do jogo. Aos 27, mais uma bola cruzada para o atacante, que novamente mandou para fora.
 
Sem conseguir furar a barreira alviverde, o América passou a arriscar chutes de longa distância. Primeiro com Thiago Potiguar aos 32 e, em seguida, com Daniel Costa aos 35, mas as duas tentativas saíram pela linha de fundo.
A pressão finalmente deu resultado aos americanos. Aos 39 minutos, Cascata arriscou de longe e marcou um golaço na Arena das Dunas, sem chances para o goleiro Danilo. Com desvantagem também no placar, o Alecrim tentou nos minutos finais em jogada de Quirino com Diego Maia, mas o lateral não conseguiu a finalização. A primeira etapa acabou com a vantagem rubra.
Resultado administrado
 
A segunda etapa começou com mudanças nas duas equipes. No Alecrim, o técnico Anthoni Santoro sacou Diogenys e colocou Fernandes. No América, Cascata deu lugar a Emerson. E foram os rubros que quase marcaram aos 7 minutos. Thiago Potiguar invadiu a área, se livrou do goleiro, mas demorou a finalizar e Danilo se recuperou para salvar. A resposta alecrinense veio aos 10 minutos em chute de longa distância de Arez, que Busatto espalmou para escanteio.
Com a vantagem no placar, a equipe rubra passou a esperar o adversário e tentar encaixar o contra-ataque. O Alecrim, por sua vez, não conseguiu oferecer perigo ao goleiro americano. Aos 21 minutos, Piuba arriscou de longe, mas mandou longe da trave. Também de fora da área, o América tentou com Judson e não obteve sucesso.
Jogando pelas laterais do campo, o Alvirrubro seguiu em busca do segundo gol, mas as bolas alçadas por Julinho pararam na defesa esmeraldina. Aos 30 minutos, a equipe teve chance em cobrança de falta de Daniel Costa, mas a bola saiu pela linha de fundo. Pouco depois, Max invadiu a área e bateu cruzado, Danilo caiu e defendeu em dois tempos.
Precisando da virada, o Alecrim foi para o ataque e quase empatou aos 37 minutos. Após cobrança de escanteio, Arez ficou com a sobra e bateu forte, Busatto salvou e, no rebote, a zaga americana afastou o perigo.
O banho de água fria para os alecrinenses veio aos 42 minutos. Após cruzamento de Julinho, Max subiu sozinho e cabeceou para ampliar o placar e dar números finais ao confronto: 2 a 0 para o América e festa da torcida americana
 
Ficha Técnica
 
Local: Arena das Dunas, Natal (RN)
Árbitro: Zandick Gondim
Cartões amarelos: Emerson, Arez, Piuba (Alecrim); Maguinho, Judson, Thiago Potiguar (América)
Cartão vermelho: Fabiano (Alecrim)
Alecrim: Fabiano, Olávio (Dieguinho), Geilson, Emerson e Diego Maia; Arez, Bacabau (Danilo), Piuba e Diogenys (Fernandes); Quirino e Yguinho. Técnico: Anthoni Santoro.
América: Busatto, Walber, Flávio Boaventura, Zé Antônio Potiguar e Julinho; Judson, Maguinho, Daniel Costa (Régis Potiguar) e Cascata (Emerson); Max e Thiago Potiguar (Mateus). Técnico: Roberto Fernandes.
 
Portal no Ar

Chuva, alagamento, briga e gols: Fla vence o Vasco por 2 a 1 em clássico agitado

Alecsandro marca duas vezes, enquanto Gilberto faz o do Cruz-Maltino. Maracanã fica alagado pela chuva, e duelo é interrompido por 50 minutos. Ao fim, jogadores brigam



RESUMÃO

estatística a favor do fla
 
Se houve um personagem no clássico entre Flamengo e Vasco, foi a chuva - que paralisou o duelo em 50 minutos. Se houve outro personagem - aí, dentro de campo -, foi Alecsandro. Foi o atacante quem garantiu a vitória rubro-negra. Primeiro, aproveitando o erro de Martín Silva e a ajuda de uma poça d'água acumulada no gramado. Depois, em pênalti cometido por Guiñazu em Marcelo Cirino. Os 2 a 1 no Maracanã - Gilberto fez para o cruz-maltino - aumentam a estatística a favor do Fla. Desde 2012, na semifinal da Taça Rio, o Vasco não vence - são 6 derrotas e 4 empates

PANORAMA

Com o resultado, o Flamengo permanece na terceira colocação do Carioca, com 26 pontos. O Vasco, por sua vez, cai três posições e fica em quarto, com a mesma pontuação, mas perdendo nos critérios de desempate. Na próxima rodada, o rubro-negro recebe o Bangu no Maracanã, às 22h de quarta-feira. Já o Vasco encara o Boavista em Bacaxá, na quinta, às 16h.
 
OS 90 MINUTOS
 
Não faltou emoção e movimentação no clássico - dentro e fora de campo. A chuva determinou a abertura do placar, com Alecsandro e erro de Martín Silva. Durante cerca de 10 minutos, o futebol ficou impraticável no primeiro tempo devido ao alagamento do gramado. Na volta da parada, foi o Vasco quem voltou melhor e aproveitou para empatar, com Gilberto, logo com três minutos após o retorno. Guiñazu vinha vem nos desarmes até cometer pênalti em Cirino, no segundo tempo. Acabou sendo expulso, mais tarde, em confusão generalizada. Houve ainda chances desperdiçadas e boa atuação dos goleiros.
 
 
PÚBLICO E RENDA

O clássico carioca deste domingo registrou o maior público do ano do futebol brasileiro. Ao total, 56.020 pessoas marcaram presença no Maracanã, sendo 51.085 os pagantes. A renda da partida foi de R$ 2.543.220.

CHUVA MARCA O JOGO

A forte chuva que caiu no começo da noite no Rio de Janeiro foi o personagem principal do clássico. Com ela, o gramado do Maracanã ficou completamente alagado, proporcionando o gol de Alecsandro e ocasionando a interrupção da partida poucos minutos depois. Ao total, foram 50 minutos em que o duelo ficou parado - sendo 30 para espera e 20 para retorno a campo e aquecimento. As equipes permaneceram ao vestiário e voltaram apenas para o aquecimento para o reinício. A drenagem do estádio funcionou muito bem e, apesar da chuva continuar - mesmo que mais fraca -, o gramado não teve mais problemas e não apresentou mais nenhuma poça no restante do confronto.

CONFUSÃO GENERALIZADA

Aos 36 minutos do segundo tempo, houve briga e confusão generalizada no Maracanã. Paulinho comete falta em Bernardo, que parte para cima do adversário. Anderson Pico chega e empurra o vascaíno, que acaba até caindo no chão. Aí começa a briga. Guiñazu era um dos mais exaltados e foi preciso muita força dos colegas para contê-lo. No fim, acabou sendo expulso, assim como Bernardo, Paulinho e Pico.

TROCA DE DECLARAÇÕES

Durante a parada do jogo devido à chuva, dirigentes dos dois clubes trocaram declarações. Enquanto o presidente do Flamengo afirmou que "não conversa com a Federação", o diretor de futebol do Vasco disse apenas que "respeita a decisão da arbitragem".

Eduardo Bandeira de Mello: "Não tem conversa com a Federação. Aliás, o Flamengo não conversa com a Federação. A questão é que estamos disputando um jogo e não vejo motivo para que a partida seja interrompida".

ALECSANDRO OPORTUNISTA

O atacante rubro-negro soube agarrar a oportunidade que lhe deram. Com muita inteligência, se aproveitou do erro de Martín Silva, que foi tentar repor a bola em jogo entregando-a a Rodrigo. Porém, a pelota acabou parando em uma poça antes de chegar aos pés do zagueiro. Aí, Alecsandro aproveitou o gol vazio - e a ajuda da água - e mandou para dentro das redes. No segundo tempo, ainda garantiu a vitória rubro-negra de pênalti.

Globo Esporte RJ