terça-feira, 30 de outubro de 2012

Leitura completa da final do municipal de futsal de José da Penha

Os jogos

os jogos que fizeram a final da copa municipal de futsal em Jose da Penha, foi extremamente bem disputado não sobrou emoção ou polemica dentro da quadra, por usa vez ficou notado que a experiencia é necessária na hora de decidir jogos. O municipal também revelou novos valores, mostrando que município tem talentos em sobra não necessitando assim da transferência de títulos de forasteiros que no meu pontos é extremamente desrespeitoso com os jovens e atletas desta localidade, sendo assim pra mim esportista e arbitro amador não cola a mentirosa e enganadora conversa de que essas pessoas vem com o intuito de engrandecer o futebol local, não sou menino e não é de hoje que um atleta sai de sua cidade para jogar e defender outras cores sem ter uma boa compensação financeira.

Segurança

A conduta esperada da segurança não existiu sobrou dedo na cara de todo mundo,  nas finais da copa municipal diante da não presença da policia na quadra, a todo momento era invasao de torcida, jogadores, dirigentes e em nenhum ocasião os envolvidos se sentiam seguros para desenvolver seu trabalho.



Arbitragem

Extremamente confusa, na fase final e semifinal, aconteceu uma expulsão que no ponto foi injusta na semifinal tendo influencia clara de gente de fora, o que acarretou numa não expulsão de nenhum atleta na final fato claramente necessário tendo em vista que sobrou jogadas ríspidas e faltosas em toda a partida, jogadores técnicos foram casados em quadra e a arbitragem foi conivente com essa pratica, essa atitudes de alguns, fere a moral e a lisura de profissional corretos e comprometidos com a imparcialidade, sem mencionar o alto valor pago aos mesmo para que tais realizassem um trabalho extremamente contestável, resumindo isso é lamentável.
Apelo

Era nos dias atuais para o poder publico e a própria coordenação de esportes dar mais valor a valores locais, ao povo da nossa terra, deixar de valorizar cidadãos de Jose da Penha, em prol do trabalho inferior de outros de cidades vizinhas é vergonhoso e lamentável  me refiro não só a atletas mas também a árbitros que fora do município de José da Penha são respeitados e requisitos, mas na verdade não são vistos como capacitados, atletas que são tidos como joias, em nenhum momento tem o prestigio que merecem  sendo caçados não só dentro de quadra, mas também fora, por fatores que transcendem o âmbito esportivos, porem essa final mostrou que a incapacidade não são de árbitros,  atletas ou técnicos de Jose da penha, mas de algumas decisões da organização e da falta de preparo dos top de mercado trazidos de fora, que só fizeram foi manchar um campeonato que tinha tudo para terminar com chaves de ouro e acabou ficando marcado por fatores que chamaram a atenção de todos pelo lado negativo.




"Mas DEUS é perfeito em todos os aspectos meu menino"

Redação: Luciano Libânio 
Edição: Eliesio Oliveira

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Final do municipal de futsal

Foi disputada na noite deste sábado (27-10-2012) a final do campeonato municipal de futsal Jpenhense na ocasião se enfrentaram a jovem equipe do Revelação x Boca Jrs, o jogo foi bem disputado com o duelo da técnica dos meninos do Revelação, contra a experiencia e vontade do Boca Jrs, no final acabou prevalecendo a a experiencia, e a equipe do Boca Jrs foi campeão vencendo o jogo por 6 a 5. Porém o Revelação esta de parabéns chegou a sua segunda final consecutiva, mesmo tendo uma equipe muito jovem sendo assim considerada o futuro do esporte local.

Boca Jrs ( Campeão)
Revelação (Vice-campeão)

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Os caminhos do título

O Brasileirão 2012 entra em sua reta final. Faltando 10 rodadas para o término do campeonato, não há mais tempo para mudar elencos; trocar de treinador, principalmente entre as equipes candidatas ao Rebaixamento, é arriscadíssimo (o novo comandante não teria um tempo mínimo para conhecer o grupo). O jeito é motivar o grupo, achar soluções e, principalmente, arriscar. O futebol vem premiando as equipes que ousam, que acreditam e vão além de retrancas e esquemas cheios de quebradores de bola.
O Fluminense, após vencer dois clássicos consecutivos contra Flamengo e Botafogo, se consolida como o grande candidato ao título. O desempenho é impressionante, com apenas duas derrotas e 18 gols sofridos em 28 rodadas. Fred, quando joga, tem deixado a sua marca; o maestro Decovoltou para dar mais criatividade ao meio-campo, explorar a velocidade de Welington Nem e as bolas paradas. Além da competência, a sorte (que acompanha os bons, diga-se de passagem) e, por vezes, a arbitragem também parecem estar do lado do Tricolor carioca. O que pode tirar o título do Flu? A tabela. Os comandados de Abel têm pela frente nas últimas 10 rodadas na sequência Bahia (F), Ponte Preta (C), Grêmio (C), Atlético-MG (F), Coritiba (C), São Paulo (F), Palmeiras (F), Cruzeiro (C), Sport (F) e Vasco (neutro). Em tese, 5 partidas com alto grau de dificuldade: Galo e Grêmio, que lutam pelo título, o São Paulo, que jogará no Morumbi, o Palmeiras, também fora de casa e desesperado para não cair, e o clássico contra o Vasco. Duas partidas bem traiçoeiras, contra o Bahia, em Pituaçu, que faz boa campanha desde a chegada do técnico Jorginho, e a Ponte, que costuma dar muito mais trabalho jogando fora de casa e foi uma das poucas equipes a tirar pontos do Atlético-MG no Independência. Completam a sequência o Sport, que se arrumou um pouco desde a chegada de Waldemar Lemos, mas acaba de levar um humilhante 5 a 1 da Portuguesa, o Cruzeiro e o Coritiba, em casa.


A tabela é mesmo a esperança dos rivais do Flu na luta pelo título. Atlético-MG e Grêmio parecem jogar no limite há algum tempo e precisam de ajudar para chegar no líder, não dependem só de suas forças. Nesta rodada, os dois tiveram histórias distintas, mas ambos presentearam os torcedores com jogos inesquecíveis. O Galo enfiou 6 a 0 no Figueirense, a maior goleada do campeonato, com show de Ronaldinho, que parece crescer quando joga com raiva (havia acabado de perder o padrasto, se emocionou em campo e comandou a goleada). Já o Grêmio, era superior, mas perdia para o Cruzeiro, justo o Cruzeiro, de Celso Roth. A muito custo, conseguiu a virada, do jeito que o torcedor gosta, com doses extravagantes de sofrimento. Ainda levou um susto no finzinho, quase sofrendo o empate. No final, a retranca de Roth, que chegou ao ponto de tirar Borges e colocar um zagueiro, foi vencida.
A tabela do Galo mostra Inter (F), Sport (C), Santos (F), Fluminense (C), Flamengo (C), Coritiba (F), Vasco (F), Atlético-GO (C), Botafogo (F) e Cruzeiro (C). Em tese, 3 jogos muito complicados: contra o líder Flu, com a vantagem de ser em casa, o Vasco, em São Januário, e o clássico contra o Cruzeiro, embora o duelo ocorrerá somente com a torcida do Galo e contra este time horrível que vem se apresentando no campeonato. Outras três partidas exigem o alerta no nível máximo, mas não assustam como poderiam em outros tempos: o Inter, de campanha oscilante, mas que joga em casa, o Flamengo, que já venceu o Atlético-MG recentemente em partida atrasada, e o Botafogo, no Rio. Sport e Atlético-GO, em casa, devem ser presas fáceis, desde que o Galo faça a sua parte e leve os jogos a sério. O Santos e o Coritiba, fora de casa, que antes poderiam ser jogos de extrema dificuldade, no momento atual são perfeitamente vencíveis.
O Grêmio ainda encara Sport (F), Botafogo (C), Fluminense (F), Coritiba (C), Bahia (F), Ponte Preta (C), São Paulo (C), Portuguesa (F), Figueirense (F) e Inter (C). As maiores dificuldades serão contra Fluminense e Inter, líder e maior rival, respectivamente. As partidas contra Bahia, Ponte Preta e São Paulo exigem atenção total, pois os baianos vêm se recuperando, a Ponte gosta de jogar fora de casa e o time de Luís Fabiano tem qualidade, embora o desempenho longe do Morumbi seja fraco. Sport, na Ilha do Retiro, Botafogo, que ainda mantém esperanças de Libertadores, e Portuguesa vêm na sequência com grau médio de dificuldade, sendo a partida contra a Lusa a mais perigosa de todas. Coritiba e Figueirense são perfeitamente derrotáveis.
LIBERTADORES
A quarta e última vaga (se ela existir, pois Palmeiras, São Paulo e Grêmio largaram em vantagem nos jogos de oitavas da Sul Americana e têm a classificação a próxima fase bem encaminhada) segue com o Vasco, que voltou a vencer, apesar de continuar jogando mal. O grande adversário Cruzmaltino é o São Paulo, isso se Luís Fabiano continuar jogando e o Tricolor melhorar seu desempenho longe do Morumbi. Inter e Botafogo precisam de uma sequência excepcional para encostarem no quarto colocado, o que, no momento, parece improvável.
REBAIXAMENTO
O lanterna Atlético-GO e o Figueirense deram um passo importante rumo à Série B neste final de semana. O Dragão perdeu em casa enquanto os catarinenses levaram uma surra do Galo e devem estar com a moral no fundo do poço. A sorte dos dois é que Sport e Palmeiras, os outros integrantes do Z-4, também perderam. Ruim para todos foi a vitória do Coritiba, primeiro time fora da Zona do Descenso. Além dessas cinco equipes, aponto o Cruzeiro como mais forte candidato ao Rebaixamento, que vem em uma sequência de sete jogos sem vencer, incluindo nesse período derrotas para Sport e Figueirense. O Brasileirão por pontos corridos já mostrou que não se pode fazer dois turnos tão distintos, e que um time em má fase na reta final pode, sim, ser rebaixado, mesmo sem ter flertado com o Z-4 durante boa parte do campeonato.

Fonte: http://futebolserenova.blogspot.com.br/

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Qual a importância da Seleção Brasileira?

Antes de começar a falar sobre o tópico, queria pedir desculpas aos leitores deste espaço, por não ter postado sobre a rodada do último final de semana do Brasileirão, como sempre faço. Acabei saindo no domingo à noite, e em um lapso de memória, esqueci do Blog.
Bom, nesta postagem queria comentar a ‘crise’ que vive a Seleção Brasileira, com clubes, torcida e a contradição da mídia.
Neste final de semana, teremos as chamadas Datas-Fifas, onde são dias reservados para as seleções realizarem amistosos, compromissos com Eliminatórias e até competições entre países.
O Brasil fará dois amistosos. Contra Costa Rica no dia 7 e contra o México dia 11.’Problemas á vista’(!?)


Relação Seleção e clubes brasileiros
Bom, o sonho de vários brasileiros sempre foi que os jogadores nascidos aqui atuassem pelas nossas equipes e não pelas do exterior.
Pois é, em tempos, onde temos vários craques atuando em terras tupiniquins, com os clubes bem reforçados, há um ponto negativo (como em qualquer situação da vida).


Muitos destes atletas são convocados para defender a Seleção Brasileira, e desfalcam seus clubes nos principais campeonatos. O Santos que o diga com Neymar e Ganso e o São Paulo com Lucas. Há ainda Jefferson no Botafogo, Vítor no Grêmio e por ai vai….

O que acaba acontecendo? Os dirigentes se voltam contra a CBF e pedem que adiem seus compromissos pelo Campeonato Brasileiro, ou que, Mano Menezes não desfalque tanto assim o seu time, chamando um ou outro jogador de cada clube (limitando o trabalho do técnico, que nada tem a ver com esta história).

E os cartolas estão certos em reclamarem, pois pagam os salários de seus funcionários, que vão servir a Seleção, para um simples amistoso e depois correm o risco de chegarem lesionados. Ou às vezes se desfalca de seu goleiro titular, para ser um terceiro reserva e nem no banco ficar. O cara foi a passeio!

E o que deve ser feito? Bom, em primeiro lugar, como já falei outra vez aqui neste espaço. A CBF não deveria colocar jogos do Campeonato Brasileiro em Datas-Fifas. Na Europa, as competições clubísticas não ocorrem. Portanto, os clubes não ficam desfalcados de seus atletas.


Para isso acontecer no Brasil, como já expliquei anteriormente, teria que ter uma reaorganização no Campeonato Brasileiro, com os estaduais reduzidos aos times que não disputem nenhuma das séries das competições nacionais, e fazer estas começarem em março, por exemplo. Sobrariam datas, e parte do problema seria solucionado.

Digo parte, pois na Europa, isto é feito, no entanto, os clubes continuam sendo inimigos das federações. Na Espanha, por exemplo, quando um clube cede seus jogadores a suas seleções, a contragosto, e estes voltam machucados, dizem que ele sofreu o ‘vírus Fifa’. Ainda há reclamações, pois as competições entre países sempre acontecem em final de temporada européia e os jogadores que disputarem estas, terão que atuar mais um mês mais ou menos e depois podem se lesionar e os que não se machucarem terão suas férias esticadas, podendo mexer na pré-temporada do clube que paga seu salário.

Ou seja, o calendário resolveria em partes o problema, mas não o todo. O que fazer? Isso gera uma boa discussão, hehehehe

É bom lembrar, que esta situação, no Brasil, de jogos de clubes e seleções ao mesmo tempo sempre ocorreu. Os times brasileiros só estão reclamando agora, em 2011, porque há bons jogadores atuando por aqui. Nas outras convocações, eram só atletas que estavam na Europa, então não levavam prejuízos dentro de campo.

Brasil e a torcida
É cada vez mais notório que as pessoas se dizem se importar pouco com a Seleção Brasileira. O que causa este afastamento?

Atuar mais em Londres do que no Brasil? Em tempos passados, atletas no estrangeiro e pouca identificação com o público brasileiro? A má administração de quem cuida, pois pensam mais no próprio bolso do que na Seleção? Jogos chamados caça-níqueis? Talvez um pouco de tudo!

Acho eu que se você perguntar a cada dez pessoas, o que elas preferem, ver seu time do coração campeão ou a Seleção, creio que no mínimo oito responderão que o clube de coração. Não acho nem uma situação anormal, só mais um sinal de distanciamento entre torcida e seleção.

Outro fator que contribui para isso é saber que a maioria dos jogadores brasileiros de hoje, diferente do passado, não se contentam em ser convocados para a Seleção. O auge para eles é atuar na Europa. Alguns depois de atuarem no futebol europeu, nem se importam mais com isso. Querem férias.

Eu penso que isso é uma pena. Afinal um dos fatores do Brasil ser reconhecido no exterior foi devido a Seleção Brasileira, campeão do mundo em 1958 e 1962. Foi com o chamado futebol-arte que os gringos começaram, a saber, da nossa existência. Para qualquer brasileiro, a seleção deveria ser motivo de orgulho. E não é.

Entendo que a administração de quem controla o futebol contribuiu para isso, mas é sempre bom olhar para a seleção com carinho, pois saber que ali, mesmo que esconda muitos problemas, serve de orgulho pro Brasil.

Mídia e Seleção Brasileira
Aproveitando o gancho, o que acho contraditório, é ver na mídia, tanto impressa, quanto de televisão ou de rádio, falarem mal da seleção, dizer que não tem a mesma importância de antes, isso ou aquilo(como eu fiz agora),mas ao mesmo tempo, muitos não percebem que ao falarem tudo isso, estão dedicando um bom tempo a seleção, e alguns, em seus programas jornalísticos ainda dão mais prioridade á Seleção do que aos outros campeonatos de clubes. Curioso, ne? Ao mesmo tempo em que a Seleção não serve, ela é manchete e capa de várias mídias impressas.

Fonte: http://blogs.saocarlosagora.com.br/futebolarte/2011/10/06/qual-a-importancia-da-selecao-brasileira/